Sim, dizias tu, mas em seguida
corrigiste: 
talvez. 
Esta é a única palavra
que não tem casa. 
Que mora
no intervalo
entre o som e o silêncio



Albano Martins
4 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!