No momento mais difícil da dor, achamos que a ferida permanecerá viva para sempre. 

E, então, numa manhã qualquer, nos surpreendemos aos constatar que já não sentimos aquele peso terrível.




David Foenkinos
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!