Ah forte como a loucura é

o amor, o amor como a eletricidade dos campos. 

O amor-pirâmide, o amor-trevo-de-quatro-folhas, 

o amor-moeda-achada-no-chão.

Não digas sorte, diz privilégio. 

Não peças perdão, pede chuva.

 Não recues, assombra-te



Vasco Gato
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!