terça-feira, 20 de novembro de 2012


escrevia silêncios, noites, anotava o inexprimível, fixava vertigens.

criei todas as festas, todos os triunfos, todos os dramas.

tentei inventar novas flores, novos astros, novas carnes, novos idiomas.



Arthur Rimbaud

Postar um comentário

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...