tua mão!


(...)
Nunca senti bater o meu coração
Como senti ao sentir a tua mão
(...)


Ana Moura
5 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!