terça-feira, 9 de outubro de 2012


Olho-me nos teus olhos.
Não tem fundo a pura madrugada em que me afogo.
Na minha cama desfeita ainda o (teu) calor se deita



António Arnaut
Postar um comentário

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...