"Naquele instante imóvel seguravas nas tuas mãos
todas as palavras e todos os sorrisos e todos 
os soluços abafados e todos os medos contidos. 
Nessa página branca presa nos teus dedos
escrevi com olhos úmidos 
a manhã que não nasceu.



Isabel C. Neves

1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!