A cama de ferro 
É o vão que resta 
E o calor que resta... 
Resta, resta. 
Para cama e dormir 
E sem lágrimas escorrem 
Os segundos informes 
Minutos horas 
E você nunca 
Os pingos da chuva choram 
E você nunca 
E tic-tic 
tic-tic 
passam as horas. 


Sylvia Plath
3 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!