domingo, 21 de outubro de 2012



A cama de ferro 
É o vão que resta 
E o calor que resta... 
Resta, resta. 
Para cama e dormir 
E sem lágrimas escorrem 
Os segundos informes 
Minutos horas 
E você nunca 
Os pingos da chuva choram 
E você nunca 
E tic-tic 
tic-tic 
passam as horas. 


Sylvia Plath
Postar um comentário

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...