tem um violão que é pras noites de lua...


nos finais de tarde,
aquieto-me com meus versos,
e em silêncio amo-te.



António Carlos Menezes
4 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!