Esvaziamentos...


Quando ela permitiu que as lágrimas não fossem mais suas prisioneiras, deixou-as correr de vez a desaguar no perdão. O peso de cada uma que não a permitia levantar sua cabeça e olhar para qualquer canto, tornou-se lembrança quase esquecida de ontem. Conseguiu caminhar. O sol a lhe aquecer era sua companhia. Era disso que precisava para reacender o coração. 



Guilherme Antunes
4 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!