sexta-feira, 20 de julho de 2012

Ver-Te!


"Ver-Te é como ter à minha frente todo o tempo

é tudo serem para mim estradas largas

estradas onde passa o sol poente

é o tempo parar e eu próprio duvidar mas sem pensar

se o tempo existe se existiu alguma vez

e nem mesmo meço a devastação do meu passado.

Quando te vejo e embora exista o vento

nenhuma folha nas múltiplas árvores se move

Ver-Te é logo todas as coisas começarem é

tudo ser desde sempre anterior a tudo.

Ver-Te é sem tu me veres eu sentir-me visto

sentir no meu andar alguma segurança mínima

caminhar pelo ar a meio metro da terra

e tudo flutuar e ser ainda mais aéreo do que o ar

Ver-Te é nem mesmo pensar que deixarei de Ver-Te."





Ruy Belo
Postar um comentário

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...