tão manso é o LAGO dos teus olhos
que temo avançar a mão


cortar as águas
e semear o espanto


na descoberta
da minha sede antiga.




Ana Paula Tavares
7 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!