Murmuro o teu nome ao rés da relva


Murmuro-o
Em diagonal da terra ao céu azul
Radiante


Felicíssimo
Não entendo nada.



Alberto de Lacerda 
4 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!