quando me sinto feliz
afogo-me em bebedeiras de luares
e acordo com os olhos húmidos de ternura



António Paiva
6 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!