Pegamos o telefone que o menino fez com duas caixas de papelão e pedimos uma ligação com a infância.



Millôr Fernandes
13 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!