quinta-feira, 21 de junho de 2012


Estou no meu quarto. Deitada na minha cama. A luz está acesa. Ouço música. Penso em ti mas não é em ti. É um tu abstrato porque a tua ausência é uma lesão incurável que se imaterializa com o tempo. Por fim adormeço. Quando acordo de manhã sinto-me feliz por ter conseguido dormir.




Ana Hatherly
Postar um comentário

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...