sábado, 30 de junho de 2012


Dei-me inteiro.
 Os outros fazem o mundo (ou crêem que fazem). 
Eu sento-me na cancela, sem nada
de meu e tenho um sorriso
triste e uma gota de ternura branda no olhar.
Dei-me inteiro. Sobram-me
coração, vísceras e um corpo.
Com isso vou vivendo.



Gil T. Sousa
Postar um comentário

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...