Dei-me inteiro.
 Os outros fazem o mundo (ou crêem que fazem). 
Eu sento-me na cancela, sem nada
de meu e tenho um sorriso
triste e uma gota de ternura branda no olhar.
Dei-me inteiro. Sobram-me
coração, vísceras e um corpo.
Com isso vou vivendo.



Gil T. Sousa
5 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!