Quando já não há restos de voz na fala no momento em que devagar escrevo silêncio no corpo. Como movimento imperfeito da respiração aceito lágrimas. 



Maria Sousa

*vez em quando, o corpo precisa desabafar!
10 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!