quarta-feira, 16 de maio de 2012


Para além deles não há nada. 
Nem tempo, nem chão, nem altura.

Apenas e só duas bocas 
onde as línguas tocam no céu como rouxinóis felizes.

Sabem-se de cor. 
Os dedos já estudaram o corpo todo.



Vitor Encarnação
Postar um comentário

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...