quinta-feira, 12 de abril de 2012

foi embora mas eu nunca disse adeus: quando uma pessoa vai embora, nem sempre o que se sente por ela vai junto...


Você me deu o melhor abraço noturno que alguém já me deu e depois deixou meus braços órfãos. Você me fez ler um escritor que eu não estava afim para que eu entendesse a sua filosofia de vida. Fez-me tomar uma garrafa inteira de vinho sozinha com seu atraso e me encontrou de pilequinho só pra rir um pouco dos meus desvarios. E me fez querer que fosse sábado no domingo... Você tentou me convencer que estava tudo bem entre nós quando meu coração estava intranqüilo. Você me deixou sozinha e ainda estava ao meu lado. Visitou a minha casa, preencheu o lado esquerdo da minha cama e foi embora em algum momento sem se despedir... Porque você me fez escutar a mesma música sozinha trilhões de vezes porque a melodia trazia um jeito seu pra perto. Porque você me roubou a solidão e não me fez companhia... Porque eu ainda gostaria de você? Porque quando uma pessoa vai embora, nem sempre o que se sente por ela vai junto... 





Marla de Queiroz


*'Atire' o primeiro travesseiro quem nunca sentiu uma falta...
Postar um comentário

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...