que o meu céu seria beber-te 
se tu fosses água. 


e todas as flores de nomes impronunciáveis, 
plantadas algures em cidades imagiárias, 
seriam a sombra dos dias 
que me sacia a fome 


de uma existência 
onde sou carnal




Paulo Ferreira
7 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!