quinta-feira, 12 de abril de 2012

que nasce das mãos e do espírito dos homens:


pretendo que a poesia tenha a virtude de,
em meio ao sofrimento e o desamparo,


acender uma luz qualquer,
uma luz que não nos é dada,


que não desce dos céus,
mas que nasce das mãos e do espírito dos homens.





Ferreira Gullar
Postar um comentário

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...