Ó noite, flor acesa, quem te colhe?


Sou eu que em ti me deixo anoitecer,
Ou o gesto preciso que te escolhe


Na flor dum outro ser.




Sophia de Mello Breyner Andresen
12 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!