(...)
O homem vive
de pescar o tempo:
ora em veleiros de papel,
ora em veleiros de vento.



Onévio Zabot
15 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!