Antes de partir,
permitiu então que a tocasse.
Era de veludo, era de seda,
toda bordada era a borboleta.
Pousada ali,
e sobre o encanto dos meus olhos,
dormiu na minha mão.
E eu, minúscula criatura diante dela;
tive, comovida, a sensação mais bela.
Veio me falar a borboleta:
- que as grandes coisas,
são sempre as mais singelas.



Patty Vicensotti
11 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!