quarta-feira, 28 de março de 2012

Mas não me importo... De dormir ao relento, entre tuas mãos...


Amo o caminho que estendes por dentro das minhas divisões.



Ignoro se um pássaro morto continua o seu voo


Se se recorda dos movimentos migratórios


E das estações.


Mas não me importo de adoecer no teu colo

De dormir ao relento entre as tuas mãos.





Daniel Faria
Postar um comentário

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...