Quero conhecer a minha nudez e ser o azul da presença.



Indecisa e ardente, algo ainda não é flor em mim.
Não estou perdida, estou entre o vento e o olvido.

Quero conhecer a minha nudez e ser o azul da presença.

Não sou a destruição cega nem  a esperança impossível.
Sou alguém que espera ser aberto por uma palavra.




Antônio Rosa Ramos
16 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!