terça-feira, 20 de março de 2012

Quero conhecer a minha nudez e ser o azul da presença.



Indecisa e ardente, algo ainda não é flor em mim.
Não estou perdida, estou entre o vento e o olvido.

Quero conhecer a minha nudez e ser o azul da presença.

Não sou a destruição cega nem  a esperança impossível.
Sou alguém que espera ser aberto por uma palavra.




Antônio Rosa Ramos
Postar um comentário

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...