...voa, no embalo do meu grito...

Uma das coisas que aprendi muito cedo foi a [voar]. De modo a conjugar o som [das asas] a cortarem o vento com o bater do meu coração.

Aprendi primeiro a [voar] contra vento. E agora não sei - nem ouso - [voar] de outra maneira.



Jorge de Sousa Braga

**Voa, no estalo do meu grito
Quero ver teu infinito
Nesse azul sem dimensão
Voa, voa minha liberdade

(Voa, liberdade - Jessé)
15 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!