quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012


sabes que o amor é feito de coisas bonitas que se dizem, coisas inventadas que te soam verdes de esperança, disfarces intencionais que te levam a crer em mim. Não acredito no amor tolinho de quem é sincero, sou tão entregue à consciência pura do domínio que farei de cada coisa que te diga uma forma de te prender. 


E tu hás-de rastejar por mim até ao fim dos tempos


Para me dares prazer, para me assistires, e eu nunca te substituirei, será essa a minha forma de te amar, será esse o meu garantido respeito




Valter Hugo Mãe
Postar um comentário

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...