quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012



Nunca houve palavras para gritar a tua ausência

Apenas o coração

Pulsando a solidão antes de ti

Quando o teu rosto doía no meu rosto

E eu descobri as minhas mãos sem as tuas

E os teus olhos não eram mais

que um lugar escondido onde a primavera

refaz o seu vestido de corolas.

E não havia um nome para a tua ausência.


{E não havia um nome para a tua ausência.

E não havia um nome para a tua ausência.

E não havia um nome para a tua ausência.

E não havia um nome para a tua ausência.}


Joaquim Pessoa


**Apenas ecos... Ecos da sua ausência...
Postar um comentário

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...