sábado, 11 de fevereiro de 2012

...noite absoluta: a humanidade repousa e esquece as suas amarguras...


Noite absoluta, sossego absoluto, lá fora.

Paz em toda a Natureza.

A Humanidade repousa e esquece as suas amarguras.
Exatamente.

A Humanidade esquece as suas alegrias e amarguras.
Costuma dizer-se isto.

A Humanidade esquece, sim, a Humanidade esquece,
Mas mesmo acordada a Humanidade esquece.

Exatamente. Mas não durmo.




Álvaro de Campos
Postar um comentário

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...