...noite absoluta: a humanidade repousa e esquece as suas amarguras...


Noite absoluta, sossego absoluto, lá fora.

Paz em toda a Natureza.

A Humanidade repousa e esquece as suas amarguras.
Exatamente.

A Humanidade esquece as suas alegrias e amarguras.
Costuma dizer-se isto.

A Humanidade esquece, sim, a Humanidade esquece,
Mas mesmo acordada a Humanidade esquece.

Exatamente. Mas não durmo.




Álvaro de Campos
12 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!