quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012


começa-se o silêncio a desenhar

   nos interstícios da carne, a que se prendem

          imagens que no fogo

                          lento da memória se apuraram


                            de dia para dia e que o passado

                          nos serve agora como iguaria.


Luís Miguel Nava


**E arde!
Postar um comentário

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...