domingo, 26 de fevereiro de 2012


até que um dia, por astúcia ou acaso,
depois de quase todos os enganos,


ela descobriu a porta do labirinto. (…)
nada de ir tateando os muros como um cego.
nada de muros.


seus passos tinham - enfim! – a liberdade
de traçar seus próprios labirintos.






Mário Quintana
Postar um comentário

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...