terça-feira, 3 de janeiro de 2012

'sempre parto antes, que comece a gostar, de ser igual, a qualquer um'



"À medida que o tempo passava, eu fugia, jamais um ano na mesma cidade, eu viajava para não manter laços - afetivos, gordurosos - para não voltar nunca, e sempre acabava voltando para cidades que já não eram as mesmas, para pessoas de vidas lineares, ordenadas, em cujo traçado definido não haveria mais lugar para mim".



Caio Fernando de Abreu
Postar um comentário

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...