Se eu própria me bastasse, fugiria para sempre. Do teu corpo, das mãos quentes.



Mas sou frágil como um grão de neve. Derreto-me com leves sussurros e a ternura estonteia-me. Sofro de constante abstinência de amor."



Pedro Paixão 
12 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!