Que eu mantenha um pouco do olhar da criança que fui...


Solte as rédeas dos teus olhos (...) 




Raduan Nassar
5 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!