terça-feira, 17 de janeiro de 2012

'perde-se de sete em sete anos'



A identidade, como a pele,
renova-se, perde-se de sete
em sete anos, muda no mesmo
corpo, torna diferente
a permanência humana.


A identidade é a soma
das intenções, uma foto
instantânea para um propósito
imediato que não dura.

A identidade é um equívoco
para camuflar o coração.






Pedro Mexia
Postar um comentário

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...