há-de ser um dia azul, de verão, em que o vento poderá soprar do norte,


             como se fosse daí que viessem, nesta altura, as coisas mais precisas,


                               que são as nossas: o verde das folhas e o amarelo das pétalas,


                                                                           o vermelho do sol e o branco dos muros




Nuno Júdice
4 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!