sexta-feira, 13 de janeiro de 2012



A Flor que és
A flor que és, não a que dás, eu quero.


Porque me negas o que te não peço?
Tempo há para negares
Depois de teres dado.
Flor, sê-me flor! Se te colher avaro


A mão da infausta esfinge, tu perene
Sombra errarás absurda,
Buscando o que não deste.






Ricardo Reis
Postar um comentário

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...