Ele era tão poesia

que nunca caberia

num poema.





Luiz Guilherme Libório Alves
2 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!