quarta-feira, 30 de novembro de 2011


A estrela cadente teima,

                                                Se enrosca,

                                                          Se queima.

Quer o sol nascente.


Flora Figueiredo


Seja feliz, se quer ser bonita!


Clarice Lispector

Um dia talvez faça sentido 

a tua fuga urgente e fria

pela calada do silêncio.

Só então perdoarei o tempo

pela dor de não te ter tido

nem ter sabido de cor.


Maria Quintela

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Só mais tarde entendi o que procurava: queria um mar...


Andava às voltas no topo de si mesmo e do monte.Trepara a encosta como em pequeno trepava às árvores:para ver melhor.Vivia tão longe da água que tinha a boca seca. Agora andava às voltas cheio de sede a esgotar-se, a suar: -Porque não paras?, perguntar-lhe-ia, se pudesse entrar neste poema. Não havia nada no cimo de si nem do monte- apenas o azul e algumas aves que respiram mais alto. A cidade ficava a meio caminho entre o céu e a terra (o céu lá para cima, ainda depois do monte,a terra cá para baixo, um pouco antes da sede). Ele andava às voltas com a vida: atirava-lhe pedras, gritava (se ao menos a chuva! se ao menos a chuva!) como quem não encontra.


Só mais tarde entendi o que procurava - um mar.





Filipa Leal
nada mais possuo

a não ser este recado que hoje segue 
manchado de finos bagos de romã

repara
como o coração de papel amareleceu 
no esquecimento de te amar




Al Berto

segunda-feira, 28 de novembro de 2011


O teu corpo transpira o meu ópio.

Não te afastes



Vasco Gato


Se acaso me quiseres, sou dessas mulheres, que só dizem sim. Por uma coisa à toa, uma noitada boa, um cinema, um botequim.




Gal Costa


"Isto não é um adeus. É apenas o caminho pelo qual o amor continua quando as palavras não aquecem o bastante para afastar o frio"










'This Ain't Goodbye' - Train

domingo, 27 de novembro de 2011


Morrer de vez em quando
é a única coisa que me acalma



João C. de Melo Neto

São outras as paisagens quando alguém
As vê pelas janelas do seu próprio coração 

Ou quando com esse coração
A própria estrada está comprometida.

Luís Miguel Nava

sábado, 26 de novembro de 2011


Direi como disse um médico famoso: «O ser humano que matava com uma lança os leões treme hoje com a picada duma mosca.» Isto quer dizer alguma coisa de angustiante, e nós sabemos que a angústia nos mantém em cativeiro. O modo de vida urbano propagou-se à província, o homem levou as suas doenças até ao sertão mais impenetrável, e uma série de maldições pesa sobre a nossa saúde tornada delicada. O sabor do vinho tornou-se venenoso, o sol já não tem o mesmo efeito abrasador e doce na nossa pele; pomos o pé com precaução no solo, desinfectamo-nos antes de dormir e ao acordar.



Agustina Bessa-Luís

Os sonhos...

Podem transformar 

O rumo da história...





Maria Gadú

São precisamente as perguntas para as quais não há resposta, que marcam os limites das possibilidades humanas e que traçam as fronteiras de nossa existência.




Milan Kundera

sexta-feira, 25 de novembro de 2011


Queira amar, 

Queira amar, 
Queira amar, 

Me queira!



O Teatro Mágico

Temos que descansar temporariamente de nós, olhando-nos de longe e de cima e, de uma distância artística, rindo sobre nós ou chorando sobre nós: temos de descobrir o herói, assim como o parvo, que reside em nossa paixão pelo conhecimento, temos de alegrar-nos vez por outra com nossa tolice, para podermos continuar alegres com nossa sabedoria




Friedrich Nietzsche

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Não temas o silêncio

Quando já não há palavras


Nas tuas mãos.


Elizabeth Azcona Cranwell

E escreveu uns versos que começam desta maneira

                                        "O segredo é amar..."




Sebastião da Gama


"Bem leve leve, releve, Quem pouse a pele"




Marisa Monte


*Um dia DOCE pra Você!


Aprendemos a achar linda a timidez, mas nem nos damos conta de que ela é a maneira mais sutil e sofrida de disfarçarmos nosso orgulho e nosso medo de que alguém possa nos apontar algum defeito.”  



Victor Chaves

quarta-feira, 23 de novembro de 2011


Adapte-me a uma cama boa. 




Caetano Veloso


Eu não sou uma sonhadora.

Só devaneio para alcançar a realidade




Clarice Lispector

Fizemos planos,

Para muitos anos, mas aqui estamos, 

Dizendo adeus… 


Capital Inicial

terça-feira, 22 de novembro de 2011


São horas talvez de eu fazer o único esforço de eu olhar para a minha vida. Vejo-me no meio de um deserto imenso. Digo do que ontem literariamente fui, procuro explicar a mim próprio como cheguei aqui.




Bernardo Soares

Queria que me quisesses certa, exacta, como o minuto onde me pudesses encontrar...


Dizia-te do minuto certo. Do minuto certo do amor. Dizia-te que queria olhar para os teus olhos e ter a certeza que pensavas em mim. Que me pensavas por dentro. Que era eu a tua fantasia, o teu banco de trás. O teu desconforto de calças caídas, de pernas caídas, da rua que não estava fechada porque nenhuma rua se fecha para o amor.

Na cidade do meu sono, havia palmeiras onde alguns repetiam putas e charros e atiravam pedras ao rio. Mas eu nunca gostei de clichés. Nem de quartos de hotel. Nem de camas que não conheço. [...] Eu nunca me comovi com o sonho de ser tua. Eu nunca quis que ficasses, entendes? Que viesses. Queria que quisesses de mim esse minuto certo, essa rua húmida de ser norte. Queria que me quisesses certa, exacta, como o minuto onde me pudesses encontrar. Eu nunca quis de ti uma continuidade, mas um alívio, uma noção de ser gente, entendes? Eu nunca quis de ti o sonho do sono ou da viagem. Nunca te pedi o pequeno-almoço, a ternura. Nunca te disse que me abraçasses por trás, que adormecesses. Eu nunca quis que me desses casa e filhos e lógica. Que me convidasses para dançar. Queria os teus olhos a fecharem-se comigo por dentro e tu por dentro de mim.
Queria de ti um minuto. Um minuto...




Felipa Leal


E se voltar te dou café

Preliminar com cafuné

Pra deixar teu dia mais gostoso.


Maria Rita

segunda-feira, 21 de novembro de 2011



Se me perguntarem das artes do mundo, escolho a de ver cometas. 




Herberto Helder

Três fósforos acesos
um a um durante a noite.



O primeiro para ver teu rosto,
O segundo para ver teus olhos e
O último para ver tua boca.


E a escuridão inteirinha para lembrar tudo isso
Estreitando-te em meus braços.


Jacques Prévert

A gente precisa é deixar de ser sobrevivente para,

  finalmente, viver.




Ana Jácomo

Vem de antes do sol a luz que em tua pupila me desenha. Aceito amar-me assim, refletida no olhar com que me vês.




 Adélia Prado


Quem dera pudéssemos ser uma pessoa diferente a cada 6 meses, ser casados de segunda a sexta e solteiros nos finais de semana, ter filhos quando se está bem-disposto e não tê-los quando se está cansado. Por isso é tão importante o auto conhecimento. Por isso é necessário ler muito, ouvir os outros, estagiar em várias tribos, prestar atenção ao que acontece em volta e não cultivar preconceitos. Nossas escolhas não podem ser apenas intuitivas, elas têm que refletir o que a gente é. Lógico que se deve reavaliar decisões e trocar de caminho: Ninguém é o mesmo para sempre. 



Pedro Bial


domingo, 20 de novembro de 2011


Então por um momento os dois se apagaram na doce escuridão tão profunda que eles eram mais escuros que a escuridão, por uns instantes ambos eram mais escuros que as negras árvores, e depois tão escuro que, quando ela tentou erguer os olhos até ele, só pôde ver as ondas selvagens do universo acima dos ombros dele, e então ela disse: 'Sim, acho que eu também te amo'.




Clarice Lispector

E no meu peito restou... um nó de marinheiro


Áspera e vulgar era a manhã quando de novo à minha mesa te sentaste: 
falaste-me do mardo teu equilíbrio na crista das ondas e de um país ao sul, onde em júbilo incontrolado, novas praias te esperavam

...

Afinal foi numa vulgar manhã, que uma vez mais, com astúcia, te armadilhei: escondidos foram, num dos teus bolsos, pedaços do meu destino...



Victor Oliveira Mateus

Quim:


Alguns tem o dom de juntar as palavras com as fotos e nos ofertar maravilhas, 

Obrigada Quim, por fazer maravilhas com o texto que enviei, 

Mas, obrigada, principalmente, por fazer de todos os textos que postas, maravilhas aos olhos e a alma.




Obrigada!

sábado, 19 de novembro de 2011


E, por vezes, encontramos de nós em poucos meses o que a noite nos fez em muitos anos. E por vezes fingimos que lembramos. E por vezes lembramos que por vezes… E por vezes sorrimos ou choramos...



 David Mourão Ferreira

ao menos,
          os teus olhos permanecem
                                            verdes todo o ano



Jorge de Sousa Braga

Olho o céu com paciência. O azul não me cansa. Uma ave voando não significa que está partindo. Uma ave voando pode estar regressando...




Fabrício Carpinejar

Quais são as cores e as coisas
                                         Pra te prender?



Herbert Vianna

''A vida é maravilhosa, mesmo quando dolorida. Eu gostaria que na correria da época atual a gente pudesse se permitir, criar, uma pequena ilha de contemplação, de autocontemplação, de onde se pudesse ver melhor todas as coisas: com mais generosidade, mais otimismo, mais respeito, mais silêncio, mais prazer. Mais senso da própria dignidade, não importando idade, dinheiro, cor, posição, crença.


Não importando nada. "





Lya Luft

sexta-feira, 18 de novembro de 2011


Fiz de mim o que não soube,
E o que podia fazer de mim não o fiz.

O dominó que vesti era errado.
Conheceram-me logo por quem não era e não desmenti, e perdi-me.

Quando quis tirar a máscara,
Estava pegada à cara.
Quando a tirei e me vi ao espelho,
Já tinha envelhecido.


Fernando Pessoa

quinta-feira, 17 de novembro de 2011




O Nunca Mais não é verdade.
Há ilusões e assomos, há repentes

De perpetuar a Duração.
O Nunca Mais é só meia-verdade:

Como se visses a ave entre a folhagem
E ao mesmo tampo não


Hilda Hilst

Ela gosta do tango, 
                         do dengo, 
                                 do mengo, 
                                        domingo, 
                                               e de cócegas.


Chico Buarque


A felicidade sempre iria ser clandestina para mim.


Parece que eu já pressentia.


Clarice Lispector

Oração de Clara ao seu jardim:



"Meu espírito clama pelos poderes cicatrizantes
Do amor. Neles penso, enquanto escurece ou
Chove torrencialmente na ravina obscura que
Atravesso. Vi levantar-se a ilusão da alegria
Perene como dádiva. Que dardo cravas em mim,
Que assim entenebreço, que nervuras tão densas
Me crias, se em ti me perco?"



Maria Gabriela Llansol

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

...não sei por quê acontece assim e é sem querer...


"Precisava falar-te ao ouvido
De manter sobre a rodilha do silêncio
A escrita.

Precisava dos teus joelhos. Da tua porta aberta.
Da indigência. E da fadiga.


Da tua sombra sobre a minha sombra
E da tua casa
E do chão."






Daniel Faria

No Azul, qual uma esfinge, eu reino Indecifrada






Baudelaire

terça-feira, 15 de novembro de 2011


"Eu me fui

                        Eu me sou, 

                                Eu me serei 


Em cada um dos girassóis do reino a ser feito"... 




Caio Fernando Abreu

Um poema
sem outra angústia que a sua misteriosa condição de poema.
Triste
Solitário
Único

Ferido de mortal beleza.



Mário Quintana

A vida é tão bonita, é a minha favorita

É bossa, é nova, é nossa.



Cazuza

segunda-feira, 14 de novembro de 2011




"tinhas realmente nome de mar
minha impossível metade mas
não tinha corpo nem alma para dar-te

Deus fez-me o reverso do que chamam homem

gosto de estátuas geladas e de antípodas
mas sabe que quando ouço o mar
peço para ti um verso que saiba tocar-te"



Pedro Sena-Lino


"Beber é algo emocional. Faz com que você saia da rotina do dia-a-dia, impede que tudo seja igual. Arranca você para fora do seu corpo e de sua mente e joga contra a parede. Eu tenho a impressão de que beber é uma forma de suicídio onde você é permitido voltar à vida e começar tudo de novo no dia seguinte. É como se matar e renascer."




Charles Bukowski

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...