Tu vens todos os dias à noitinha

            E despes-te com tanta lentidão

                          Com tanta lentidão que se adivinha

                                         A forma do teu próprio coração

                                         E quando vais é já noite fechada

                         Não sei se vou ficar se vou sair

          Não posso ter a alma sossegada

Sem saber se amanhã tornas a vir




David Mourão Ferreira


**Nada pessoal, simplesmente gostei!
6 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!