terça-feira, 27 de dezembro de 2011

...que a música que ouço ao longe, seja linda ainda que tristeza...



"(...) uma parte importante de mim está ligada à música que ouço; e à maneira como gosto de viver os silêncios.


(...) Sinto o teu silêncio quando estou sozinho. Muitas vezes dou comigo a sentir a falta que me fazes, mas é mesmo do teu silêncio que me lembro quando sinto a tua ausência. É então que retenho aqueles momentos em que as palavras não fazem sentido e em que apenas nos vemos e tocamos. Gosto dos nossos silêncios (...). Quando tenho mesmo saudades tuas pego num disco de piano e é como se te sentisse aqui ao lado, os silêncios a modularem os sentidos, as notas a encherem os nossos segundos.”






Manuel Falcão
Postar um comentário

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...