sábado, 10 de dezembro de 2011

Anne Frank: de uma sabedoria,


"Fiquei olhando, também, através da janela, para o horizonte de um azul tão pálido que se tornava difícil distinguir a linha divisória. E eu pensei: enquanto existir isso, enquanto eu estiver viva e puder contemplar este sol e este céu sem nuvens, enquanto isto existir, não poderei ser infeliz."




O Diário de Anne Frank
Postar um comentário

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...