Quando ao longe a tua voz me acena, 


E a fúria do dia que nos pesa se faz manhã clara, 


Reinvento todas as rimas da primavera.






Renata Correia Botelho
2 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!