Então não estou onde estou.


Em pensamento eu,


Deixo meu corpo e saio, para longe, para lugar nenhum,


e não quero estar com ninguém, nem mesmo comigo,


e não tenho, nem quero ter, nome algum: 


então perco a vontade de me chamar ou de ser chamado




Eduardo Galeano
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!