e ao anoitecer adquires nome de ilha ou de vulcão


deixas viver sobre a pele uma criança de lume

e na fria lava da noite ensinas ao corpo




a paciência

o amor
o abandono das palavras
o silêncio


e a difícil arte da melancolia



Al Berto
10 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!