a pele


era o que de mais solitário


havia no seu corpo.






Luís Miguel Nava
3 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!