"Levai tudo:
o brilho fácil das pratas,


o acre toque das sedas.


Deixai só a incomensurável
memória das labaredas"






A.M. Pires Cabral
8 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!