Eu sou a concha das praias
Que anda batida da onda


E, de vaga em outra vaga,
Não tem aonde se esconda.
Mas se um menino, da areia
A colher e a for guardar


No seio... Ali adormece
E é ali seu descansar.





Antero de Quental
7 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!